Decepcionado, vereador da Capital promete abandonar a política




camara_vereadoresAté que se realize a eleição da mesa diretora da Câmara de Vereadores de Porto Velho, para o biênio 2015/2016, marcada para o próximo 29 de abril (mas nada impede que o pleito aconteça antes do previsto), lágrimas correrão pelos rostos dos que se consideram injustiçados com o resultado do relatório produzido pela Polícia Civil, durante a chamada Operação Apocalipse, que apontou o envolvimento de empresários e autoridades estaduais e municipais com o crime organizado.
Pela enésima vez, o vereador Cabo Anjos (PDT) assumiu a tribuna da casa, na sessão plenária de terça-feira (4), e, referindo-se à matéria jornalística publicada em site da capital, que o acusa de ter-se aliado a grupo político “para tomar de assalto a mesa diretora da câmara”, repetiu o que dissera em ocasiões anteriores, ou seja, que não era bandido e que não tem culpa no cartório para ser achincalhado, apesar de todas as evidências.
Sem esconder sua revolta e decepção com a conduta de colegas, Anjos prometeu abandonar a política, assim que concluir o seu mandato. Embora evite falar sobre o assunto publicamente, ele não esconde que vai votar no tucano Edmilson Lemos (PSDB) para a presidência da casae acredita que sua opção pelo líder do prefeito Mauro Nazif (PSB) teria fustigado a fúria de desafetos, mas garantiu que nada o fará dissuadir da ideia, “pois não conseguiria conviver com quem tentou levá-lo ao cadafalso”.

Até que se conheça que vai comandar o poder legislativo municipal de janeiro de 2015 a dezembro de 2016, muita água correrá debaixo da ponte, muitas lágrimas verterão de olhos ditos inocentes, muita profecia de fé e amor à causa pública será proferida, mas haverá, também, muita trairagem.