Eletrobrás não instala redes de energia no “Minha Casa, Minha Vida” em Rondônia




Prefeito Airton Gomes, ministro Gilberto Occhi e senador Ivo CassolOutro problema levantado pelo senador Ivo Cassol na reunião foi a situação dos condomínios construídos pelo programa “Minha Casa, Minha Vida” em Ariquemes, Rolim de Moura e Vilhena. Como a Eletrobrás não construiu a rede de energia elétrica as casas não podem ser liberadas para mudança dos mutuários, ficando sujeitas à degradação e até mesmo invasão. “É muita incompetência e falta de gestão: além de não construir as redes para as casas que estão prontas não permitem que novas casas sejam construídas justamente porque esta fase não está pronta, mesmo com recursos disponíveis”, reclamou mais uma vez o senador Cassol ao ministro.

Ocorre que por determinação contratual, somente depois de uma fase de um conjunto habitacional estar concluído, e aí incluem as redes de água, esgoto e iluminação (que só pode ser feita pela Eletrobrás) é que novos recursos podem ser liberados para a construção de mais moradias. Como a Eletrobrás não concluiu nem a primeira fase nestes conjuntos o ministério das Cidades não pode liberar recursos para novas moradias, que estão assegurados no orçamento, enquanto não estiver tudo pronto na fase anterior.

“Quero deixar bem claro que não é culpa da equipe de Rondônia, nem dos prefeitos e muito menos da bancada federal. Isso está acontecendo por falta de gestão, por incompetência administrativa da Eletrobrás lá no Rio de Janeiro, na sede da empresa. Tem mais 300 casas autorizadas para Vilhena, 720 para Ariquemes e 500 para Rolim de Moura, mas o processo está travado por causa da exigência da rede elétrica que a Eletrobrás não executa e mais uma vez quem sofre é a população que não pode se mudar para a casa própria, mas vamos cobrar do ministro das Minas e Energia, que determine a execução imediata da obra”, finalizou Cassol.