Segurança alimentar é foco de curso oferecido às merendeiras pela Seduc




20171121_081702O Governo do Estado de Rondônia por meio da Secretaria de Estado da Educação e o apoio das Coordenadorias Regionais de Educação/CRE/Seduc dos municípios Rondonienses investem no curso de Capacitação e Manipulação de Alimentos por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Na terça-feira 21, as profissionais que atuam no setor de serviços de alimentação nos processos de manipulação e produção de alimentos de forma segura (merendeiras dentre outros profissionais) das escolas de Espigão do Oeste.

O curso foi realizado no auditório da CRE/Seduc  envolvendo 43 profissionais sendo ministrado pelas nutricionistas, Ingrid e Regina e do Subgerente de Alimentação Escolar, José Áureo Souza de Oliveira da Seduc de Porto Velho.

20171121_090559A manipulação de alimentos está presente, diariamente, na rotina das pessoas. Por mais que você não perceba, ao sentar à mesa para tomar o seu café da manhã ou almoçar num restaurante e jantar em sua casa, a manipulação de alimentos é parte fundamental para a garantia das refeições.
Além das questões nutricionais – preocupação de grande parte dos consumidores – a higiene na preparação daquilo que será ingerido é imprescindível na qualidade de vida e saúde dos indivíduos. A manipulação de alimentos envolve todo o processo de produção, venda, transporte, preparação e oferecimento dos alimentos, seja numa escala industrial, ou de maneira artesanal e em pequeno porte.
O curso de Manipulação de alimentos ainda fez referências a limpeza dos utensílios e de todo o local envolvido com a produção do produto, além da utilização de vestimentas próprias e acessórios como toucas e máscaras também fazem parte dos procedimentos básicos para a manipulação correta de alimentos. Um dos principais objetivos do curso é ainda o de fazer com que não ocorra a contaminação física, química ou microbiológica da comida que será oferecida aos consumidores. A propagação de fungos e bactérias pode ocorrer de diversas maneiras e envolve desde o toque no alimento com as mãos sujas, à queda de um brinco e pelos em geral; ou o uso indevido e exagerado de produtos químicos como conservantes e corantes artificiais. Quando o ramo é de produtos crus como peixes, ovos, leite, verduras e legumes, o cuidado com contaminação deve ser redobrado, uma vez que o contato com nicro-organismos nocivos à saúde podem levar a patologias mais graves como abortos nas gestantes e, em alguns casos, até óbito. Por este motivo, aprimorar os conhecimentos sobre a manipulação de alimentos deve ser prioridade para agentes de alimentação.
Os 43 participantes receberam orientações sobre como higienizar, conservar, preparar e distribuir os alimentos. O interessante é que os produtos utilizados foram os produtos adquiridos através do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), onde o governo estadual, em parceria com o governo federal, compra a produção diretamente do agricultor e a distribui entre as instituições que atuam com famílias em situações de vulnerabilidade.

20171121_114008Para a Coordenadora Regional de Educação de Espigão do Oeste, Helena Donini, o curso além de uma necessidade, foi de suma importância, pois, para ela, é preciso capacitar as agentes de alimentação no preparo de alimentos diferenciados e nutritivos, que agradem ao paladar das crianças. Além disso, é muito importante ensinar as práticas corretas de higiene e manipulação, para evitar intoxicações. “O foco é a segurança alimentar”, explicou.

20171121_115153No encerramento do curto todos os participantes receberam certificado de participação e conclusão.