WALDO ALVES ASSUME A EDUCAÇÃO COM GRANDES DESAFIOS




seduc-montagem-696x490Toda a troca é traumática, não importa onde ela aconteça. Mudar um secretário é coisa extremamente difícil para um governo, ainda mais se ele é Confúcio Moura, que é cheio de dedos e cuidados, pelo respeito que tem pelas pessoas, quando tem que tomar uma atitude dessas. Mas há momentos em que a mudança é a única alternativa. Veja-se por exemplo, o caso da educação. Confúcio começou seu governo com um técnico no assunto, Jorge Ellarat, em 2011. Durou cerca de seis meses a experiência. Até hoje não se sabe porque ele, um especialista, homem com longo currículo de serviços e conhecido por suas brilhantes palestras, não conseguiu atender as necessidades do Governo. Até hoje, os motivos reais da sua saída da Seduc não foram bem explicados. Interinamente, o posto foi ocupado por Júlio Olivar, que na verdade pouco conhecimento tinha da área. Júlio era uma espécie de coringa de Confúcio e quando saiu da Seduc, em agosto de 2012, ainda foi para a área de comunicação e, posteriormente, para a Secretaria de Turismo. Isabel Fátima da Luz, a adjunta polêmica, assumiu interinamente, até que Confúcio convocou Emerson Castro para o comando do setor, em setembro de 2013. Novas mudanças no Governo e, novamente, o Governador foi buscar outro nome, esse conhecido mais na região central do Estado (Cacoal), mas desconhecido nas demais regiões. Fátima Gavioli assumiu com a esperança renovado do seu chefe, de que, agora, sim, a educação iria deslanchar. Não deu de novo. Numa reunião recente, Confúcio teria elogiado Fátima Gaviolli, dizendo que ela é extremamente trabalhadora e esforçada, mas que todo esse trabalho não teve o resultado que ele queria.

Assume agora Waldo Alves, homem de confiança do Governador, parceiro de muitos anos, pessoa que convive na cozinha do chefe. Waldo, por onde passou, melhorou muito os setores sob seu comando. É de fácil diálogo, bondoso, respeita os amigos e tem fidelidade a eles, mas quando tem que falar duro e fazer as coisas acontecerem, não há ninguém melhor. Confúcio escolheu certo. Waldo é, sem dúvida, uma boa aposta para a Educação rondoniense. Tomara que repita na Seduc o sucesso que tem tido por onde passou…

O SONHO DE CONFÚCIO

Na área da educação, além dos números do Fundeb, que não nos são favoráveis como Confúcio queria que fossem, há o projeto do ensino integral, que é a menina dos olhos do Governador e que não andou. Quando ele assumiu, haviam 17 escolas no Estado, com esse tipo de ensino completo. Hoje, existem as mesmas 17 escolas. Ou seja, a intenção ficou só no discurso, porque na prática, foi um grande fracasso. Waldo Alves conversou longamente com o Governador sobre o assunto. E esse será uma das suas grandes missões: aumentar significativamente o número de educandários com ensino integral. Não como um “crechão”, apelido dado pelo próprio Confúcio, mas como uma escola moderna, de tempo integral, de múltiplas atividades e que signifique um salto de qualidade no ensino rondoniense. Confúcio exige esse resultado. O cara certo para alcança-lo, é quem ele escolheu agora: Waldo Alves.